25/08/2017 às 16:15, pela SBD, SBPC-ML, SBEM e FENAD 2017/2018

Atualização sobre hemoglobina glicada (A1C)

Compartilhe esta Notícia

Prefácio

A hemoglobina glicada, também denominada glico-hemoglobina, é conhecida ainda como HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C. Embora seja utilizada desde 1958 como uma ferramenta de avaliação do controle glicêmico em pacientes com diabetes, a dosagem da A1C passou a ser cada vez mais empregada e aceita pela comunidade científica após 1993, depois de ter sido validada através dos dois estudos clínicos mais importantes sobre a avaliação do impacto do controle glicêmico sobre as complicações crônicas do diabetes: os estudos DCCT - Diabetes Control and Complications Trial (1993) e o UKPDS - United Kingdom Prospective Diabetes Study  (1998).

 

Atualmente, a manutenção do nível de A1C em 7% é considerada como uma das principais metas de controle glicêmico para a maioria dos indivíduos com diabetes. Os dois estudos supramencionados indicaram que as complicações crônicas começam a se desenvolver quando os níveis de A1C estão situados permanentemente acima de 7%. Metas terapêuticas mais ou menos rígidas para os valores de A1C, podem ser indicadas dependendo da presença de comorbidades e tipo de tratamento antidiabético adotado.

 

O objetivo deste Posicionamento Oficial 2017 é o de promover uma atualização sobre o papel da hemoglobina glicada na avaliação do controle glicêmico e no diagnóstico do dia- betes, abordando aspectos clínicos e laboratoriais sobre esse importante recurso diagnóstico. Visa, também, definir recomendações de padronização de métodos laboratoriais devidamente validados, bem como discutir os métodos alternativos que possam ser utiliza- dos na prática laboratorial diária para a avaliação desse importante parâmetro diagnóstico.

 

São Paulo, agosto de 2017

 

Acesse e baixe o arquivo completo pelo link abaixo.

http://www.albalab.com.br/assets/repositorio/pdf/posicionamento-ac1.pdf